Festa no Cerrado



Foto: Fernanda Mann
O II Encontro Cultural do Instituto Inhoré será realizado no próximo dia 26 no Parque Ecológico Geraldino José de Almeida, em Capão Grosso, distrito de Jaboticatubas (MG), próximo à Serra do Cipó, possivelmente com a presença do secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Alceu Torres Marques. Ele é natural do município e convidado de honra do evento, cujo objetivo é divulgar e valorizar as manifestações culturais da região do Cerrado mineiro, promovendo o desenvolvimento sustentável da comunidade local. O convite traz a assinatura de Emerson de Almeida (foto), fundador e atual presidente do Conselho de Administração da Fundação Dom Cabral. O nome do parque é uma homenagem ao pai dele. 

José Fernando Coura



Representando a mineração sustentável, o presidente do Ibram e do Sindiextra, José Fernando Coura, foi o único mineiro dentre as 100 personalidades brasileiras agraciadas com o Prêmio “Quem faz o Brasil Melhor”. A homenagem foi feita durante evento realizado pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais) e pela Rádio Jovem Pan no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo: “Para se fazer um país melhor, é preciso que cada brasileiro faça, primeiro, a sua parte”, pontuou.

Foto: Divulgação

A “Coca-Cola” de Lázaro



Em sua coluna “Palavra de Presidente” no Informativo Fecomércio Minas, considerado o maior jornal corporativo do país, com 150 mil exemplares, Lázaro Luiz Gonzaga - reeleito recentemente para presidir a instituição no quadriênio 2014-2018 - recorreu às três famosas regras que a Coca-Cola criou para sustentar, em suas equipes, o entusiasmo que garante o seu sucesso mundial continuado: “Regra 1: Nada é fácil. Regra 2: Tudo é possível. E regra 3: Se você desanimar, se desesperar, se algo der errado, leia novamente a regra 2, ‘Tudo é possível!’”.
Ao compartilhar isso com seus colegas empresários, Lázaro lembrou que o Brasil já se encontra novamente dentro do “oneroso tempo pré-eleitoral”, cuja ambientação se estende até depois das eleições: “É hora de investirmos em tempo e ideias sobre projetos de mudanças, preparar propostas, reivindicações. E oferecer apoio aos candidatos que melhor estão aptos a atender nossos pleitos. Depois, é persistirmos na cobrança dos compromissos assumidos”.

O presidente ainda recorreu, no final, à memória do primeiro-ministro inglês Harold Wilson: “Aquele que rejeita a mudança é o arquiteto da decadência. A única instituição humana que rejeita o progresso é o cemitério”! A Coca-Cola, o Lázaro e o Harold estão realmente certos segundo a teoria quântica: tudo é possível!