Mamães futuras




Mais um Dia das Mães passou e nem tudo está perdido para que nós, enquanto crianças, possamos compreendê-las e presenteá-las melhor, com um comportamento menos impetuoso, egoísta e desecológico. Aos 12 anos de idade, a escritora estreante Bárbara Muniz juntou-se à ilustradora Leonora Weissmann, de 31, e lançou um livro instigante na área da literatura infantil: “Indo ao futuro para entender as mães”. Essa viagem imaginária realmente acontece. E quando voltam à realidade presente, a compreensão da diferença de idade é outra. Vale a pena conferir. 
Mais informações: editora@scriptum.com.br

Lacerda, a esperança (2)



Na capital mineira, o prefeito Marcio Lacerda continua com um desafio politico-eleitoral descomunal, que é nomear um novo e competente titular não somente para comandar, mas principalmente para “resgatar” a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA). Sua primeira aposta técnica , a engenheira ambiental Carla Vasconcelos, de sua preferência pessoal e indicada pelo Projeto Manuelzão, pediu demissão por motivos de saúde, após ter passado por uma delicada operação nas cordas vocais.
Já a maioria dos ambientalistas, que apoiou as duas candidaturas de Lacerda à prefeitura de BH, desconfia que houve outra motivação, psicológica e de foro íntimo: o tamanho da encrenca e desafio que a pasta acumula. Ou seja, seu desmonte e abandono técnico-institucional desde a gestão do PT na prefeitura, quando foi anexada e esvaziada politicamente como mais um apêndice obediente da super Secretaria Municipal de Política Urbana e Meio Ambiente, na contramão do desenvolvimento sustentável.


A mais bombada
Por isso mesmo, a SMMA também passou nas mãos de vários e descontinuados ocupantes nos últimos anos. Daí a autoestima hoje baixíssima de seus funcionários, programa e projetos mais relutantes.
A reesperança em Lacerda prestigiar sua secretaria verde e a história do movimento ambientalista mineiro, advém de duas atitudes pontuais: a participação ímpar  que ele teve à frente do Congresso Mundial de Governos Locais para a Sustentabilidade (ICLEI´2012), apelidada de a “A RIO + 20 das Cidades”, quando se empenhou pessoalmente e conseguiu sediar o encontro, pela primeira vez em uma cidade latino-americana. E quando representou a Frente dos Prefeitos comprometidos com a sustentabilidade na RIO + 20.

A mais querida
No fundo, a expectativa dos ambientalistas vai além da SMMA atual. Eles sugerem que Lacerda faça o mesmo que o Estado fez, quando reuniu todos os órgãos afins e criou a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e... Desenvolvimento Sustentável! Deu grandeza à causa. Tal como o Kalil fez de maneira corajosa, merecida e brilhante no Atlético, com a contratação de Ronaldinho Gaúcho, o desafio do prefeito é apostar numa nova ou novo R10 para salvar a mais querida e militante de suas secretarias.

Sai Klabin, entra Pedro



Após 22 anos de pioneirismo, história e dedicação exemplar, o empresário Roberto Klabin deixou a presidência da Fundação SOS Mata Atlântica, uma das ONGs mais combativas e emblemáticas do país, com reconhecimento e atuação internacional. Seu substituto é Pedro Passos, que respondia pela vice-presidência da organização e copreside o Conselho de Administração da Natura. Ele foi empossado durante cerimônia concorrida no Porão das Artes – Bienal no Parque Ibirapuera, na capital paulista, prestigiada pelo governador Geraldo Alckmin, com a presença de 400 convidados entre ambientalistas, empresários e autoridades.

A instituição, que antes contava com um vice-presidente, agora terá quatro. E passará a funcionar com três áreas específicas – floresta, ambiente urbano e mar – sempre tendo como base a área de influência do bioma Mata Atlântica, que lhe dá nome e razão de ser. Para floresta, foi escalado Olympio Pereira, presidente do Credit Suisse no Brasil. O empresário de telecomunicações Roberto Oliveira de Lima, ex-presidente da Vivo, será o vice da área de ambiente urbano. Já Klabin, que continua no Conselho da Fundação, responderá pela área de mar.


Vida sem luta não é vida
“O que mais chama a atenção na SOS Mata Atlântica é que buscamos tirar as pessoas da zona de conforto. E conseguimos. Nossa vida é breve, e precisamos fazer o melhor possível. Afinal, vida sem luta não é vida.”
Roberto Klabin

A nossa causa é o Brasil
“Nós somos uma organização inovadora, criativa e inspiradora. Aqui não se trabalha com desenvolvimento ou conservação; mas sim, com as duas juntas. A causa da SOS Mata Atlântica é o Brasil.”
Pedro Passos



Como Anastasia

A exemplo do governador Antonio Anastasia, em Minas, que sempre prestigia os eventos do setor e tem contato permanente com a Frente das ONGs Ambientalistas do Estado, Alckmin também deixou o seu recado: “A SOS é uma das maiores organizações da sociedade civil brasileira, que luta por seus objetivos e combate aqueles contrários à  sua causa. Na vida, não basta viver, é preciso conviver e participar” – disse ele, ao anunciar a meta de sua administração de aumentar até 20% a cobertura vegetal do Estado de São Paulo até 2020.
 

 Fotos: Zerolux/ SOS Mata Atlântica