A Pampulha é azul


Durante recente seminário sobre Engenharia Sustentável realizado na sede do CREA-MG, na capital mineira, um ambientalista notório se despontou risonho e esperançoso em meio a tantos amantes da natureza ali reunidos. Trata-se do engenheiro Weber Coutinho (foto), ex-gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de BH, estudioso e lutador implacável pela recuperação da Pampulha.

Ex-coordenador do Selo "BH Sustentável" e espécie de leão de chácara ecológico de Marcio Lacerda, ele tinha, em mãos, motivos visíveis para estar feliz: uma série de fotografias impressionantes que tirou, mostrando como já melhorou a qualidade de água da Lagoa: "Isso não é truque, gente. É verdade! É fruto real do trabalho de despoluição enfrentado há anos pelas prefeituras de BH e Contagem, mais a Copasa. É só a gente fazer a nossa parte que a natureza faz o resto".

Luto na imprensa mineira


Jornalista Artur Almeida morre aos 57 anos

O jornalista Artur Almeida, 57 anos, morreu na noite desta segunda-feira (24/07) em Portugal, onde passava férias. Informações da família são de que ele teve uma parada cardiorrespiratória, chegou a ser socorrido, mas morreu a caminho do hospital. Ainda não se tem detalhes das causas da morte.

Ele era editor-chefe, apresentador do MGTV 1ª edição e trabalhava na TV Globo Minas há mais de 20 anos. Artur deixa a mulher e três filhas.


Minas Gerais perde um dos seus jornalistas mais importantes, e a Globo Minas perdeu um colega, um amigo, que deixa uma lacuna profissional imensa e, principalmente, uma enorme saudade.


Fonte: G1



Desprendimento de iceberg é "preocupante", dizem cientistas

Imagem de divulgação da Nasa mostra uma das rachaduras na barreira de gelo Larsen C, que se desprendeu na Antártida. Imagem de divulgação/Nasa/EPA/Agência Lusa


Cientistas australianos descreveram nesta quinta-feira (13/07) a ruptura do iceberg de 1 trilhão de toneladas da Antártida como "profundamente preocupante". As informações são da Agência Xinhua.

Estudiosos do Reino Unido confirmaram, na última quarta-feira (12/07) que a enorme barreira de gelo Larsen C, com área de 5,8 mil quilômetros quadrados (área equivalente ao Distrito Federal), separou-se da Antártida entre 10 e 12 de julho.

Trata-se do terceiro episódio na parte Antártida que fica mais próxima da América do Sul, depois que as barreiras de gelo Larsen A e B entraram em colapso em 1995 e 2002, respectivamente.

Nathan Bindoff, chefe do Programa Oceanos e Criosfera do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos (IMAS), disse que a ruptura aceleraria o afinamento do gelo na Antártida, o que significa que mais rupturas são iminentes.

"Os grandes icebergs que se separam das principais barreiras de gelo são um componente crítico da história da Antártida", disse Bindoff em uma declaração nesta quinta-feira.

"As barreiras de gelo reforçam a camada de congelada da Antártida e diminuem a taxa de perda de gelo na região. Portanto, um grande iceberg como este significa que veremos uma aceleração das geleiras aterradas atrás da barreira de gelo Larsen C.

"Surpreendentemente, essa aceleração das geleiras contribuirá para o aumento do nível do mar nos próximos anos. Vimos precisamente esse efeito no nível do mar quando a barreira de gelo Larsen B se separou".

Apesar do colapso ser um processo natural, Ian Simmonds, professor da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Melbourne, disse que o aquecimento global causado pelo homem acelerou o processo.

"A ruptura deste enorme iceberg da barreira de gelo Larsen C é profundamente preocupante. Isso ocorre após o colapso de uma parte da barreira de gelo Larsen B em fevereiro de 2002", disse Simmonds.

"As causas dessas rupturas são semelhantes. As temperaturas aumentaram drasticamente na região ao longo das últimas décadas. Isso significa que as temperaturas do verão ficam agora geralmente acima do ponto de congelamento, e o derretimento da superfície enfraquece significativamente as barreiras de gelo".


MRV planta mais de 97 mil árvores nos seis primeiros meses de 2017


A MRV Engenharia fechou o primeiro semestre de 2017 com mais de 97 mil árvores plantadas, número que representa 85% da meta de plantio previsto para todo o ano que é de 115 mil mudas. A iniciativa dá sequência ao compromisso da construtora em contribuir com o ambiente e consequentemente com a qualidade de vida das mais de 140 cidades em que a empresa está presente.

A regional Sul foi a que mais se destacou em número de árvores plantadas, somando 22 mil mudas, seguidas pelo Rio de Janeiro, com 18 mil, e Ribeirão Preto, com mais de 17 mil. 

Entre as espécies plantadas no período estão ipês rosa, amarelo, branco e roxo e quaresmeira. “Já faz parte dos processos da MRV a preservação das áreas verdes nativas existentes no entorno dos nossos empreendimentos e a implantação de ambientes mais arborizado. É um trabalho contínuo que vem transformando a realidade das cidades onde estamos presentes”, informou o gestor executivo de Segurança, Saúde e Meio Ambiente (SSMA) da MRV, José Luiz Esteves da Fonseca.

Em quase sete anos da iniciativa, a MRV Engenharia plantou mais de 855 mil árvores. E a preocupação e o cuidado com o meio ambiente não param por aí. Segundo o José Luiz, em todos os locais que receberam as mudas, a construtora seguiu as orientações das diretrizes governamentais e secretarias de meio ambiente, privilegiando o uso de espécies nativas e adequadas ao clima e solo das cidades onde ocorreram os plantios. A MRV também realiza a manutenção de árvores em áreas públicas.



TV Horizonte recebe prêmio de melhor documentário



50ª edição do Prêmio de Comunicação da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Nesta sexta-feira (28), a partir das 21h30, a TV Horizonte exibe a 50ª edição do Prêmio de Comunicação da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O evento, que reuniu emissoras católicas de rádio e televisão de todo o país, aconteceu no Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade (Goiás).

Durante a premiação, o documentário “O Bento – Terra da Gente” foi eleito o melhor da categoria “televisão”, recebendo o troféu Clara de Assis. Estiveram presentes no evento o Diretor Executivo da Rede Catedral, Eduardo Bandeira, e o apresentador e produtor da TV Horizonte, João Eugênio.

“A premiação tem grande importância no reconhecimento do trabalho da nossa equipe e na divulgação da questão ambiental. No ano em que a Campanha da Fraternidade tem como tema ‘Cultivar e Guardar a Criação’, o documentário vem ao encontro da preservação da vida humana e do meio ambiente”, destacou o diretor.

Assista à TV Horizonte pelo canal 22 da NET, 19 UHF ou sintonizando em qualquer parabólica do Brasil. A programação também está disponível, em tempo real, pelo site tvhorizonte.com.br.

O Bento – Terra da Gente


O Bento – Terra da Gente


Um ano após o desastre envolvendo o rompimento da barragem da mineradora Samarco, em Mariana (MG), os moradores afetados continuam sua luta, por meio da fé e da esperança, para superar as consequências que a destruição ambiental causou. É com este propósito que a TV Horizonte lança o documentário “O Bento – Terra da Gente”.

Durante cinco dias, a equipe da Rede Catedral, em parceria com a PUC TV Minas e apoio da Associação Católica de Comunicação (Signis Brasil), visitou a região atingida e ouviu relatos de diferentes moradores que habitavam o distrito de Bento Rodrigues. Com um olhar social sobre a causa, a produção mostrou como a união e a devoção do povo são importantes no processo de reconstrução das vidas.

Confira o documentário na íntegra pelo canal da TV Horizonte no Youtube: 

Adeus, Dr. Verde!


Semana dessas, como de costume, passei na sala do médico otorrinolaringologista João José de Castro, em BH, para uma mais conversa que consulta, de tanto que viramos confidentes ambientais.

Aos 83 anos, ele tinha um sítio em Abaeté (MG), onde lutava há quatro anos junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF) para conseguir duas licenças ambientais. Uma para poder reflorestar o terreno já devastado. E outra para barrar e utilizar, de maneira sustentável, a pouca água que ainda brotava ali.
Passei em vão. Contemporâneo de Apolo Heringer, na Faculdade de Medicina da UFMG, de quem sempre falávamos, o amigo médico das minhas orelhas secas não estava mais. Havia morrido de acidente de trânsito, na véspera do carnaval, indo com a mulher Fabiana e sua filha Júlia para o seu verde particular. Um verde e uma água que ele tentou legalmente preservar. Tudo por culpa da precariedade cada dia pior dos nossos órgãos públicos ambientais. Nossos IEFs, IGAMs, FEAMs e SEMADs que tanto amamos, defendemos e continuam sem condições de chegar a tempo, até o cidadão comum. É de doer o coração e a nossa inteligência.


Obrigado, dr. João, pelas consultas de sabedoria. A natureza te agradece mais ainda pelas quatro mil mudas de árvores que você conseguiu plantar clandestinamente. E esconder do governo, ouvindo este seu paciente subversivo. 

A Terra pede paz!



Segundo acordo temático firmado pela Revista Ecológico com o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, em Brasília, a 8ª edição do “Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza” - o “Oscar da Ecologia brasileira” 2017 terá como seu homenageado principal, este ano, não apenas uma personalidade, como é tradição. Mas um casal distinto planetariamente na causa que mais deveria preocupar os governantes e ainda pode salvar a humanidade do seu destino em comum.

Trata-se do casal Lélia Warnick e Sebastião Salgado, ambos responsáveis, a exemplo da última publicação “Gênesis”, pelos documentários fotográficos e editoriais mais audaciosos, importantes e esperançosos sobre o estado ambiental do planeta. Retrataram a morte em transe de milhares de pessoas refugiadas da seca na África e a tragédia de Mariana no Rio Doce, o maior e antiecológico acidente já ocorrido na história brasileira.

A data da solenidade da premiação, este ano, teve de ser antecipada, em função do encontro climático mundial , a COP-23,  de 06 a 17 de novembro, em Bonn, na Alemanha: será no dia 26 de outubro, na capital mineira. O anúncio e o regulamento das inscrições e indicações ao 8º Prêmio Hugo Werneck, sob o tema “A Terra pede Paz”, serão lançados virtualmente no dia 22 de abril, instituído pela ONU como o “Dia do Planeta Terra”.

Confira como se inscrever e concorrer à maior, mais amorosa e jornalística premiação ambiental do Brasil acessando o site www.premiohugowerneck.com.br

Estado aposta na conscientização para acabar com furto de espécies nativas da flora botânica




Furto de espécies nativas na Serra do Rola Moça

Governo de Minas Gerais recomenda à população que seja parceira da ação e denuncie o comércio ilegal


O Parque Estadual da Serra do Rola-Moça é um cenário de 4 mil hectares para ser contemplado e admirado, sem intervenções bruscas do homem. Entretanto, a extensa área verde, que encanta com o seu relevo acidentado, enfrenta um grande problema: o furto constante de espécies nativas da flora botânica, como orquídea, canela-de-ema, entre outras.

Para enfrentar a questão, o Governo de Minas Gerais, por meio do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e Polícia Militar do Meio Ambiente, aposta na conscientização da sociedade pela educação e informação, bem como estimulando a denúncia pelo telefone 155 para por fim a essa prática criminosa.

A unidade de conservação, localizada a 25 km do centro da capital, foi criada em 1994 e abrange parte dos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho. Ela possui seis mananciais de captação de água para abastecimento da Região Metropolitana e recebeu 83.813 visitantes, em 2016. 

O parque é um divisor de água das bacias hidrográficas dos rios das Velhas e Paraopeba, afluentes do Rio São Francisco, e abriga a nascente do Ribeirão Arrudas.

É o terceiro maior parque de área urbana do Brasil e um dos 25 hotspots do mundo, que são áreas de elevada riqueza natural de biodiversidade, mas que passam por um processo de degradação. Os estudiosos definem como lugares do planeta onde a conservação de suas feições naturais se faz mais urgente, tamanha a importância e características.


Apreensão de plantas nativas

Segundo o gerente do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, biólogo Marcus Vinicius de Freitas, o furto de espécies nativas é constante, sobretudo nessa época em que elas estão floridas e despertam mais a atenção dos interessados em adquiri-las.

Freitas alerta as pessoas a não comprarem as plantas originárias do parque, pois elas não sobreviverão fora daquele ambiente, que tem os chamados campos ferruginosos ou placas formadas somente ali. “Além do crime ambiental nesse santuário de espécies, a retirada pode ser uma profanação desse santuário”, lamenta.

De acordo com o levantamento da direção do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, no mês de março foram cinco apreensões que totalizaram 287 plantas entre orquídeas, canelas-de-ema e arnica, que é medicinal.
“Todas elas são raras, endêmicas e carregam particularidades do quadrilátero ferrífero; a canela-de-ema, por exemplo, cresce apenas um centímetro por ano”, explica o biólogo. As apreensões foram feitas após denúncias e houve colaboração entre os vigias motorizados do próprio parque e a Polícia Militar do Meio Ambiente.

Tudo o que tem sido recolhido é entregue à administração da unidade que se encarrega de replantá-las, sendo que boa parte sobrevive, outras não, por causa dos danos ocorridos na retirada.

“A sociedade tem de se conscientizar de que espécies da mata nativa -- independente de ser ou não uma unidade de conservação -- não podem ser retiradas do seu habitat. Acreditamos nisso e fazemos também palestras em escolas e em grupos”, observou Freitas.


Polícia alerta como age o infrator


De acordo com o tenente Renato Sena Farias, do 3º Pelotão da Companhia Independente de Polícia do Meio Ambiente, de Nova Lima, a maioria dos infratores que agem no Parque da Serra do Rola-Moça é reincidente e usuário de droga, vendendo as plantas para alimentar o vício. Quando a PM prende em flagrante, os criminosos são enquadrados na Lei de Crimes Ambientais (9.605/98).

O policial ressaltou que as operações aumentaram, assim como as apreensões, utilizando um serviço de inteligência e colaboração. “No ano passado inteiro foram presas apenas quatro pessoas, enquanto nos primeiros três meses deste ano já foram seis”, revela tenente Sena. Quando realizada a prisão é lavrado Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) e aplicada multa.

Para tenente Sena, o ideal é ficar atento a plantas bonitas e exóticas sendo comercializadas muito baratas, sem nota fiscal e armazenadas em caixas de papelão, sem o devido tratamento e embalagem que recebem nas floriculturas. Em alguns pontos já foram encontrados produtos nas margens da BR-040, Feira de Flores na avenida Carandaí e Feira do Colégio Arnaldo.


A polícia lembra que as pessoas desavisadas acham que estão comprando planta de origem lícita, mas podem ser enquadradas em crimes de receptação, por isso antes de avançar na compra deve-se perguntar se tem nota fiscal. Caso contrário e se houver evidências de que seja planta retirada de mata nativa, o caminho natural é chamar a Polícia Militar do Meio Ambiente.

Imagens: Arquivo/Parque Estadual da Serra do Rola-Moça
Redação: Governo de Minas

Bons exemplos 2017


A ambientalista Maria Dalce Ricas, superintendente da Associação Mineira de Defesa do Ambiente (Amda), e o empresário Alexandre Poni, presidente da Associação Mineira de Supermercados (Amis), encabeçam a lista das personalidades vencedoras da edição 2017 do “Prêmio Bom Exemplo”, da TV Globo Minas.

Além de ambientalista histórica e, literalmente, “apagadora” de incêndios florestais em nossas montanhas, Dalce é integrante do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), articulista e conselheira editorial da Revista Ecológico. Coube a ela, durante anos, a criação, gestão e divulgação, sempre no Dia Mundial do Meio Ambiente, da famosa e temida “Lista Suja” das empresas mais poluidoras do Estado. A lista foi um divisor de águas para a consciência ambiental no meio empresarial.

Já Alexandre Poni é o vencedor na categoria “Economia e Desenvolvimento”, por ter aberto as portas das grandes redes de supermercados para pequenos empreendedores, agricultores familiares e artesãos. Criador e diretor da Rede Verdemar de Supermercados, hoje o maior exemplo de sustentabilidade do setor, ele foi o primeiro empresário a receber, em 2010, o “Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza” na categoria “Melhor Empresa”. E, em parceria, já há dois anos, distribuir a Ecológico aos seus clientes.


Parabéns verdes!